Cuiabá, 21 de Julho de 2017

CinemaNews

Guerra do Paraguai - A nossa Grande Guerra

Por: BlogBrasilAcademico
Fonte: BlogBrasilAcademico

Documentário do History Channel revisita o sanguinário conflito, que facilmente poderia ser comparada a um genocídio, onde até crianças com barbas postiças foram usadas como soldados. 

Longe de ser uma releitura consensual sobre esse passado negro do Exército Brasileiro (aqui, nenhuma afirmação está livre de interpretações contrárias) e da política regional, pois parece que qualquer tentativa de se contar a história da América Latina esbarra em rancores ancestrais.
Esse documentário tem o mérito de ouvir opiniões divergentes e deixar algumas conclusões para a plateia. Mas, sobretudo, descreve essa passagem e seus múltiplos exemplos com infografismo moderno e uma narrativa épica. Usando muito da linguagem dos videogames para contar de maneira hiperativa anos de uma guerra com detalhes obscuros e cercado de teorias conspiratórias.
Trata-se da Guerra do Paraguai. Apesar da fama de seus produtos falsificados vendidos em feiras de contrafação, condição que provavelmente ainda é um desdobramento do resultado desse conflito, a Grande Guerra não teve nada de falsa. Solano Lopez era um ditador inteligente e meio "fora da casinha" que, adorado por seu povo e sua bela e atraente esposa, levou o país a um delírio de grandeza que se chocou com a realidade de um império cujo imperador possuía "luva de pelica sobre uma mão de ferro".
Tendo alguns nomes memoráveis para as forças armadas brasileiras, como a do Almirante Barroso, ou do patrono do exército, Duque de Caxias, o conflito desembocou em uma perseguição que lembra, guardada as devidas proporções, a do ex-líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden.

Isso porque o Paraguai era tão fechado que as tropas aliadas da Tríplice Aliança (formada por Uruguai, Argentina e Brasil) de maioria brasileira, sequer possuíam um mapa decente do atoleiro em que se meteram. Tal situação levou ao famoso episódio histórico da Retirada da Laguna2, imortalizado na literatura pela obra de um de seus protagonistas, o futuro visconde de Taunay. Assim, quando derrotar a resistência paraguaia já não representava nenhuma grande relevância militar, Caxias abandonou a missão dizendo não ser um coveiro, e que para derrotar o Paraguai deveria:
Pois quase já não havia homens para compor a resistência, a essa altura, civil. Mas as ordens do imperador era para caçar Lopez e seu genro, o francês conde D´eu, que substituiu o comando de Caxias, estava determinado a cumpri-la. E é nesse ponto que a guerra se converteu em massacre.
O documentário mescla reencenações realistas de batalhas, animações em computação gráfica e entrevistas com historiadores, jornalistas, diplomatas e filósofos, para contextualizar esse sangrento conflito da história.
Cerca de 75 mil brasileiros, 18 mil argentinos e mais de três mil uruguaios – além de aproximadamente 300 mil paraguaios (cerca de 70% da população do Paraguai na época) pereceram ao longo dos cinco anos de guerra, entre civis e militares, em decorrência da fome, de combates e de epidemias como o cólera.
A Guerra do Paraguai teve início com a invasão da província brasileira de Mato Grosso pelo exército paraguaio. O ato foi uma represália a então intervenção armada do Brasil no Uruguai, que ocorrera em 1864, colocando fim à guerra civil uruguaia.
Veja como se desenrolou e terminou essa verdadeira tragédia latino-americana mostrada com esmerado capricho técnico.
Com depoimentos de Eduardo Bueno, Mary Del Priore, Leandro Narloc, Francisco Doratioto, Miguel Solano López (bisneto de Francisco Solano López), Guido Alcalá, Jorge Rubiani, Juan Rivarola, Herib Caballero, Leon Pomer, Roberto B., Mário Sérgio Cortela, Leandro Karnal, Peter Lambert, J.J. Chiavenatto. 
Diretor

O diretor e roteirista Ruas é brasileiro e tem 31 anos. Aos 20 anos abriu a sua própria produtora e, nela, desenvolveu trabalhos publicitários, videoclipes e campanhas políticas. Na publicidade, venceu diversos prêmios, entre eles o mais importante da área, no Festival de Cannes. Com videoclipes recebeu diversas indicações, e, em 2008, ganhou o prêmio de Melhor Videoclipe Brasileiro (VMB) com a banda Charlie Brown Jr.
Ficha técnica
Direção e roteiro - Matheus Ruas
Edição - Matheus Ruas e Diego Biazzon
Produção executiva - Tiago Schenk
Direção de fotografia - M. Scalante
Áudio - Kiko Ferraz Studio
Finalização - Equipe Studio Fly

Elenco
D. Pedro II - Jairo Mattos
Solano López - Fábio Nassar
Elisa Lynch - Valentina Sallezzi
Fonte: http://blog.brasilacademico.com/2015/09/guerra-do-paraguai-nossa-grande-guerra.html

Conteúdo relacionado